MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Do susto e medo a redenção!!!


Crashdumps no servidor assustaram a direção de prova antes da Etapa 2 da IMSA Series. A corrida, que estava programada para ser realizada no autódromo virtual de Daytona passou por testes dias antes e foram encontrados muitos erros sem explicação na instalação.
A alternativa encontrada pela liga foi utilizar uma das pistas nativas do simulador e, por "parentesco" com a categoria, a escolhida foi Montreal. E o resultado foi uma corrida pra lá de emocionante com pegas nas duas classes, e campeonatos se embolando na briga pelo titulos de cada classe, tranformando a etapa em uma redenção perante os problemas.

CLASSIFICAÇÃO:
O pouco tempo de treino (apenas dois dias) poderia trazer surpresas para a definição de grid, visto que alguns pilotos não teriam possibilidade de treinar como outros.
A surpresa aconteceu. Todos conhecem o nível elevadíssimo de Bruno Miranda, principalmente nos monopostos das categorias americanas, mas nos Endurances o favorito é sempre Fabrício Matheussi. Porém Bruno não quis saber, fez o dever de casa e cravou a pole para a etapa. Matheussi foi apenas o terceiro, à mais de meio segundo de Bruno. Entre eles, apenas dois décimos de segundo atrás de Bruno, estava Felipe Lima. Neto Silva foi o quarto e Carlos Barreto, pódio na primeira etapa, o quinto. Porém o piloto não consegue alinhar e Rodrigo Vicente herda a posição para a largada.
Na GT a dupla da Frozen dominou. Thiago Procopio fez um temporal pra cima de seu parceiro de equipe para garantir a pole. Leandro Werle, mesmo sem a volta ideal, conseguiu garantir o segundo posto. Foram seguidos de Rodrigo Kbessa, Ricardo Prediger e Ernesto Brock.



CORRIDA:
O simulador de Neto Silva "crasha" logo na volta de apresentação e o piloto deixa um buraco no grid. Leandro Werle também cai e, Rogério Reis, que não alinhou mas largaria dos boxes, também cai, mas ainda assim tendo 28 carros em pista.
Matheussi não larga tão bem e não consegue segurar as investidas de Rodrigo Vicente. Com o carro menos carregado aerodinamicamente, Vicente até chegava a perder a posição no miolo do circuito, mas recuperava de forma fácil nas retas.
Problemas para Gilberto Rincha o jogam no meio dos GTEs e, na liderança, Felipe passava por Bruno e começava a tentar impôr seu ritmo.
Na GTE, inclusive, tudo seguia muito tranquilo e as primeiras brigas começavam a se formar.
Quando o pelotão dos DPs começa a chegar nos GTE, o primeiro problema. Philipe Henrique freia muito cedo e assusta Felipe Lima. O toque foi inevitável e possibilitou Bruno encostar novamente pela briga na ponta. Todos seguiram sem problemas.
A maior disputa da corrida se formava na GTE. Ernesto Brock e Alisson Borges formaram uma disputa incessante por nada mais nada menos que 30 minutos.
Na ponta um toque de Bruno em Felipe causa uma mudança na liderança. Matheussi, que nada tinha a ver com a briga, aproveitou que Bruno esperava para fazer o fairplay e passa pelos dois e, nesse momento, a dupla da RW assume a liderança. Porém nada definido, pois a corrida ainda guardava muitas surpresas.
Bruno se desconcentra após o incidente e erra sozinho, perdendo mais tempo em relação aos líderes. Ali a briga da vitória se despediria para Bruno.
O carro da DP é complicado, é um carro potente e necessita 110% de concentração e essa dificuldade fez mais vítimas. Emerson Czerkawsky e Anderson Medeiros também são vítimas do erro causado pelo carro traiçoeiro.
Pela GTE a dupla da RW, Rodrigo Kbessa e Alisson travam uma bonita batalha, tal como Alexandre Oliveira e Newlo Nunes, que travaram um belo duelo na briga da oitava posição dos GTs.
Restando 53min de prova a primeira bandeira amarela em todo o circuito. Era o momento de começar a definir a vitória de ambas as categorias. E na GTE a maior chance de alteração na ponta acontece! Thiago Procopio cai durante a amarela e deixa a briga para Ernesto Brock e os carros da RW, além do sempre presente na briga do pódio, Ricardo Prediger.
Uma bagunça generalizada nos pits. Alguns DPs entram, alguns GTEs também. O grid passa por várias mudanças de posições. Na DP a dupla da RW não pára e se mantém à frente, Anderson também não pára e assume a terceira. Já Bruno Miranda, que era o maior desafiante da RW, decide fazer sua parada. Na GTE, Brock, então líder, Rodrigo, Prediger, Alexandre e muitos outros entram. Alisson Borges não pára e assume a ponta.
Na parada Prediger pula para a segunda posição. A terceira fica para Edgar Horst Jr, da MTech, Brock e Kbessa caem para quarto e quinto, respectivamente.
Na volta da relargada, problemas para Vicente. Por queda de FPS o piloto é forçado à abandonar a corrida, para evitar incidentes com outros pilotos.
Bruno Miranda relarga muito forte, ultrapassa Anderson e logo parte pra cima de Matheussi, assumindo a segunda posição nos DPs e com um "conjunto novo".
A briga da GTE era ainda mais alucinante, com Prediger partindo pra cima querendo galgar a vitória da RW.
A disputa pela liderança da tabela da GT era a mais ampla e, um dos principais desafiantes, Ernesto Brock, perde o motor e é forçado à abandonar.
Um bom stint se forma, sem disputas tão ferrenhas mas ao mesmo tempo com a corrida agitada, deixando a prova correr.
Mudanças nas lideranças começavam a acontecer. A escolha de não parar em amarela se mostrou errada para a dupla da RW, quando Fabrício Matheussi é forçado à parar em bandeira verde. Ao mesmo tempo mudança na ponta da GTE, quando a RW de Kabessa passa pela RW de Alisson Borges e passa a guiar o pelotão na classe dos GTs.
Emerson nota que é momento de começar à definir a corrida, restando menos de 25 minutos para o fim e ataca Daniel Gomes pela terceira posição da Daytona Prototype.
Felipe Lima também é vítima do azar de não ter outra amarela e tem que parar em bandeira verde, deixando Bruno Miranda simplesmente sozinho, isolado na ponta, a mais de 20s de diferença para o então segundo colocado, Dani Gomes.
A outra RW, porém da GTE, também sofre o mesmo mal e tem que parar. Alisson Borges se despedia da briga pela vitória, voltando na sétima posição. O sempre constante Prediger assumia a segunda posição da categoria.
Anderson, com o carro muito danificado continuava com dificuldades e ia perdendo ritmo, na penúltima posição dos DPs.
Alisson tentava recuperar o prejuízo e já ultrapassava Alexandre (Zé da Meia).
Felipe Lima, assim como seu companheiro de RW da GTE, tenta recuperar o tempo perdido e parte para cima de Daniel Gomes, mas é tocado e ambos sofrem danos leves em seus protótipos. As duas RW se juntam novamente após a rodada de Lima ocasionada pelo toque e vão em comboio para atacar Daniel. Lima passa de forma tranquila, já Matheussi raspa tinta, mas também conclui a ultrapassagem.
Alisson seguia tentando galgar posições e encontra dificuldades com Edgar. Junto deles vinha um pelotão de DPs, com Tarso Marques, Emerson Czerkawsky e a dupla da RW, guiada por Felipe Lima.
A briga, que acontecia à mais de 34 segundos atrás de Bruno Miranda, envolvia os três carros e o fato de Emerson estar menos carregado de asa permitia uma ótima chance de defesa para o piloto da Paraguay, que já estava com o carro mais desgastado em relação a RW e defendia ferrenhamente sua posição no pódio.
Emerson, sob pressão, comete um pequeno erro, suficiente para Lima passar pelo piloto. Ambos ainda se assustam com Prediger que roda bem na entrada do segundo setor da pista, mesma curva que já havia pegado pilotos como Anderson, Bruno, o incidente entre Dani e Lima, entre outros.
Matheussi também ataca muito, Emerson tenta, mas não consegue segurar o terceiro posto frente o piloto da RW.
Kbessa, tranquilo na ponta, ainda traz um susto para o fim da corrida, rodando na última volta. Porém a vantagem construída pelo piloto o deixa ainda tranquilo na ponta e ele consegue vencer com méritos a etapa, assumindo a ponta da tabela dos GTLM


PUNIÇÕES
Cyro Santana - Não atendeu a recomendação de pedir permissão ao diretor de provas para abandonar a corrida, conforme combinado em briefing.
Ficara sem fazer a classificação na etapa de Sebring

CLASSIFICAÇÃO DO CAMPEONATO







PRÓXIMA ETAPA
O Circuito americano de Sebring recebe a ultima etapa do campeonato, com duração de duas horas e simulação de tempo em 10 horas a corrida começará ao equivalente as 14h e terminará as 0h.

VT DA ETAPA

Nenhum comentário:

Postar um comentário