MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Sobrevivência eletrizante!!!


Noite de quinta-feira, 22/02, a VORC SERIES inova e marca a estreia da categoria que vem tornando-se uma das mais populares entre os fãs de automobilismo. E como de praxe, o AV não poderia deixar esta novidade de fora e o Principado de Mônaco – em sua versão curta – foi o escolhido para receber a primeira etapa da F-E Series.

Por tratar-se de uma categoria nova, a F-E atraiu um número razoável, mas considerável, de 15 curiosos pilotos e suas equipes, que toparam o desafio e compraram a ideia.

Faremos abaixo, um breve resumo da categoria e de como funciona o evento:

O carro – O carro da F-E Virtual tem uma potência estimada de 310 HP distribuídos em 898 KG. Com tanta ‘cavalaria’ e pouquíssimo peso, o F-E tornou-se um carro de difícil pilotagem, ainda mais, por ter seu ‘setup’ travado. Entre tantas dificuldades, destaca-se a pouca eficiência do sistema de freios, que aquece rapidamente e deixa o balanço bem sensível. Alguns pilotos  chegaram a comentar que a cada volta, o ponto de frenagem muda de lugar, causando o travamento de rodas e possível saídas do traçado.

O evento – Como nas demais categorias gerenciadas pela VORC, o evento conta com um ‘Qualy’ de apenas 2 voltas lançadas, exigindo a perfeição e máxima concentração dos pilotos. Qualquer mínimo erro pode ser a diferença entre a primeira e/ou a última fila. Para a corrida, foi estipulado um tempo de 50 minutos, com uma parada necessária para “recarga” da bateria.

- QUALIFYING:

A maioria dos pilotos que alinharam nesta etapa inaugural da F-E, são velhos conhecidos da liga, mas novos nomes também estavam presentes nesta etapa – como foram os casos de Márcio Moraes pela Gryphus Motorsports, Rainier Júnior e Rodrigo Yoshihara pela Hattrick Racing e Thiago Rodrigues pela M-Tech Sports, além de retornos importantes como Arthur Targa pela BSP Racing e Raphael Arqueti pela CTE Racing HVM.

E comprovando que é um dos nomes fortes no quesito fórmula, a pole position ficou com o experiente Bruno Miranda da BMRS com uma diferença aceitável para o segundo colocado Arthur Targa. Abrindo a segunda fila vieram Jesus Neto também da BSP – que por sinal, vem em grande fase também na BTCC – seguido de Emerson Czerkawsky andando muito bem. A surpresa deste ‘Qualy’ ficou por conta de Marco de Andrade da M-Tech no quinto posto e fechando os seis primeiros, Márcio Moraes, já distantes 1,5 segundos do pole.



- CORRIDA:

Infelizmente, como acontece eventualmente no automobilismo virtual, alguns pilotos acabaram tendo problemas de conexão na transição das sessões, entre eles justamente Marco de Andrade. Porém, o piloto da M-Tech ainda conseguiu retornar para o servidor, mas viria a ser punido com a saída da última fila por retornar com pneus novos. Já Raphael Arqueti da CTE Racing HVM não teve a mesma sorte, e abandonou a etapa antes mesmo de seu início.

Quem também teve problemas e largou dos boxes, foi o piloto da BSP Arthur Targa, segundo no grid, teve problemas com seu volante.

Luz verde acionada e largada autorizada, mas como já esperado, alguns toques foram inevitáveis. Asas e demais apêndices voaram no contorno da curva Saint Devote. Este incidente levou nada menos que 4 carros para reparos nos boxes e demais permaneceram na pista para evitarem conflitos no pitlane.

Bruno Miranda se mantinha na ponta, sofrendo forte ataque de Jesus Neto pela liderança. Mais atrás, Márcio Moraes se aproveitou dos incidentes e subiu para a terceira colocação, bem como Tarso Marques que saiu da sétima posição e já figurava em quarto. Outro que se aproveitou muito bem das confusões nas ruas de Mônaco, foi Cadu Maciel. O piloto da HVM já ocupava a 6ª posição, levando 10 posições em 2 voltas de corrida.

Na volta 3, um forte acidente no ‘S’ da piscina  envolveu Ernesto Brock da Paraguay Racing e Thiago Rodrigues, fazendo com que ambos ficassem atravessados no meio do traçado. Arthur Targa que havia largado dos boxes e vinha tentando descontar o tempo perdido, não atentou para os avisos de bandeira amarela do simulador e abalroou o carro parado da M-Tech. Neste momento, 3 carros já deixavam a corrida. Este acidente causou o primeiro virtual safety car.

Pelotão realinhado, a relargada foi autorizada 3 voltas depois com Bruno Miranda ainda mantendo a liderança sob forte pressão de Jesus Neto. Cadu Maciel que já aparecia em quinto, errou na freada da Saint Devote e cairia para o fim do pelotão, abrindo espaço para Czerkawsky, Oliveira, Brock e Tarso que formavam os sete primeiros colocados.

Após 15 minutos de corrida e com os ânimos mais sossegados, os lideres se mantinham com Miranda e Neto, porém, este cometeria um erro na freada da St Devote e perderia todo contato com o líder. Felizmente a diferença para o terceiro colocado Moraes já era de mais de 15 segundos.

Neste momento, os pilotos da HVM, Maciel – que vinha em ótima recuperação – e Czerkawsky lutavam pelo 4º lugar e traziam o cô-irmão Tarso Marques da Chrome HVM em 6º.

20 minutos passados, novo virtual safety car. Alexandre Oliveira foi mais uma vítima da Saint Devote. O piloto da Paraguay passou reto e ficou estacionado na área de escape aguardando para o retorno em segurança. Porém, no final da reta, Rodrigo Yoshihara já havia perdido o controle na freada e passou reto, indo fazer companhia para Oliveira. Ernesto Brock que vinha um pouco mais atrás, também falhou na freada, e chocou-se com a traseira de Yoshihara. Outro que aproveitou a confraternização que ali se realizava foi Jesus Neto, mas este apenas fez o retorno e voltou inteiro para o traçado.

Neste momento de prova, apenas 7 sobreviventes permaneciam em pista. Miranda aproveitou o ritmo de bandeira amarela e fez sua parada necessária. Junto dele, Márcio Moraes, Emerson Czerkawsky e Cadu Maciel também fizeram seus pits. Brock e Cividini da BMRS aproveitaram a amarela e abandonaram a corrida, ambos com problemas de conexão.

Na relargada, Neto e Tarso eram os lideres, vindo em outro ritmo de paradas, seguidos de Miranda, Moraes, Czerkawsky e Maciel. Mais atrás, já com volta de desvantagem, Yoshihara e Oliveira.

Jesus Neto aproveitou o ritmo mais lento do piloto da Chrome Racing e abriu vantagem na liderança, deixando a briga entre Tarso e Miranda pela segunda colocação. Márcio Moraes foi mais um que passou reto no fim da reta e perdeu as posições para Czerkawsky e Maciel – quarto e quinto respectivamente.

No giro seguinte, já passávamos de meia hora de corrida quando Tarso Marques e Bruno Miranda se estranharam no contorno da Saint Devote. Tarso que vinha com carro desgastado reduziu bastante a velocidade pra fazer a tangência apertada da curva 1 e recebeu um toque do piloto da BMRS. Este toque jogou Tarso Marques sobre o guard rail arrancando sua asa dianteira.

Quem se aproveitou da situação foi Emerson Czerkawsky, que não tinha nada com a briga, e numa ultrapassagem dupla, pulou para segundo posto. Neste momento, Alexandre Oliveira errava no Hairpin e era o próximo a dar adeus à prova. Restavam apenas 6 carros na prova.

Quando restavam 17 minutos para o fim, o então líder Jesus Neto, sozinho, bateu no hairpin, perdendo a asa traseira e dando adeus a qualquer chance de terminar no TOP 3. Neste momento, Miranda reassumia a liderança, trazendo com ele Cadu Maciel – o top climber da etapa – e Czerkawsky fechando os três primeiros.

Após tantas emoções distintas e com poucos carros em pista, a prova deu uma “amornada”, fazendo com que as atenções se voltassem para o piloto da Hattrick, Rodrigo Yoshihara, que por longos 3 minutos, fora o foco da transmissão quando ficou preso nas lombadas de ‘anti cut’ instaladas no S da Piscina. Devido ao superaquecimento das baterias na tentativa de retorno, Yoshihara foi obrigado a abandonar a prova.

Sem mais acontecimentos relevantes, a corrida teve o seu final e o primeiro ‘pole’ da categoria de carros elétricos foi também o primeiro vencedor, com uma vantagem de quase 30 segundos para Cadu Maciel. Emerson Czerkawsky, depois de enfrentar problemas no fim da prova, botou a segunda HVM no pódio, com duas voltas de desvantagem para o líder. Completaram o TOP 5 de carros que terminaram a corrida mais caótica da VORC, Jesus Neto da BSP e Márcio Moraes da Gryphus.


- PROTESTOS
Tarso Marques > Bruno Miranda. - Volta 25 - Indererido


- CAMPEONATO DE PILOTOS
Bruno Miranda já começa como lider do campeonato com 5 pontos de vantagem encima de Cadu Maciel que vem na vice liderança, Emerson Czerkawsky vem na terceira colocação.



- CAMPEONATO DE EQUIPES
A HVM Racing surge na liderança depois do podio duplo da equipe, com a BMRS Motorsports vindo na segunda colocação, a BSP Racing vem em terceiro.



- PRÓXIMA ETAPA
Acontecerá na etapa de Long Beach, circuito americano de 2.533 km, é demasiado largo em alguns trechos, foi utilizado pela CART até o ano de 1998, a versão a ser utilizada pela VORC não é a mesma da FE Real, mas é praticamente o mesmo traçado mudando alguns trechos do primeiro setor apenas.



- VT DA ETAPA