MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Emoção, altos e baixos nos protótipos e título suado nos GTs


A sexta feira do dia 09 de novembro trouxe a final da IMSA Series na VORC. Com o título da classe protótipo já definido os holofotes focavam em João Hebert (MTech), John Martins (CTE) e Alisson Borges (MTech) na classe GT, que batalhavam ferrenhamente pelo título.

Nos protótipos, porém, ainda tinha a briga do vice-campeonato em aberto. E dos três postulantes à posição, Ricardo Prediger (Schnell) saiu em vantagem, largando na primeira fila ao lado do pole position Felipe Lima (MS2). Atrás de Prediger vinha seu parceiro de equipe, Werner Marote (Schnell), seguido de Daniel Gomes (Chrome), outro postulante ao vice, mesmo que com chances mais remotas devido a combinação matemática necessária para o piloto. Emerson Czerkawsky (HVM) fechou os cinco primeiros.


Nos GTs Cadu Maciel (TechForce) garantiu a pole, seguido do primeiro dos concorrentes ao título, John Martins. Logo atrás de John vinha outro candidato, Alisson Borges, seguido de Ernesto Brock (CTE) e Edgar Horst Junior (MTech).



A largada foi tranquila, com algumas rodadas individuais apenas por parte de alguns protótipos. Czerkawsky rodou, mas rapidamente se recolocou e ainda voltou à frente dos GTs, não perdendo tanto tempo em relação a sua classe. Mais à frente um pouco, uma disputa de quatro carros, envolvendo Cyro Santana (4EverBR), Lino Palladino (CTR) e os dois protagonistas da disputa do título e que tiveram que largar do fim do pelotão, Bruno Miranda (BMRS) e Fabricio Matheussi (RM), terminou com uma rodada de Cyro após ele e Palladino escaparem da pista. Todos seguiram sem danos.
João Hebert era outro dos protagonistas que também largou atrás em sua classe. O piloto já tentava ganhar posições para que ainda pudesse sonhar com o título. Enquanto isso seu parceiro de equipe, Alisson, ultrapassava Cadu e partia para a disputa direta com John.


Prediger roda sozinho na segunda e volta em sexto, entrando numa disputa tripla com Bruno e Matheussi. Uma briga de “cachorro grande” se formava.
Alisson se aproveita do tempo perdido com uma disputa com um protótipo e passa por John, assumindo a ponta da categoria e da disputa pelo título.
Prediger, Matheussi e Bruno chegam em Dani Gomes e Werner, a disputa fica acirrada entre o grupo de 5 pilotos, mas Matheussi sai na vantagem, com Prediger em terceiro e Bruno Miranda tendo rodado durante a disputa. Marote e Daniel continuam em suas corridas após tudo.
A corrida era marcada por vários erros individuais. Graças às grandes áreas de escape da pista os pilotos rodavam, escapavam, mas voltavam sem danos na grande maioria das vezes. Vários foram vítimas, como Marco de Andrade (MTech), John Martins e muitos outros. Alisson Borges cometeu um erro sozinho na entrada dos boxes, acertando o muro.
Após a primeira rodada de paradas e alguns pilotos tendo que parar mais de uma vez, Matheussi assume a ponta (após rodada de Prediger quando era ponteiro). O piloto da Schnell ainda mantinha a segunda posição, seguido não muito de perto por Werner, Dani Gomes e Czerkawsky. Já nos GTs a liderança era de John, seguido de seu concorrente Alisson, Cadu, Edgar e Brock.
Próximo da metade da etapa Prediger parte pra cima e tira grande diferença de Matheussi e, para sorte do piloto, Fabricio cai do servidor, deixando de bandeja a liderança para ele, com mais de 1 minuto de vantagem para o segundo colocado, seu parceiro de equipe, Werner Marote. Essa grande vantagem permitiu Prediger rodar e ainda voltar a mais de 45 segundos de vantagem.
Ao chegar a metade da etapa, os GTs partem para uma nova rodada de paradas. Os protótipos também chegam a seu limite e, juntando os erros individuais de Dani e Werner, mais a capotada de Dani Gomes na entrada dos boxes e todas as paradas, o grid deu uma boa espaçada e uma nova cara pra corrida.
Ricardo Prediger seguia na liderança, seguido de Felipe Lima e Emerson Czerkawsky. Nos GTs a liderança seguia com John Martins, seguido de Alisson Borges e Cadu Maciel.
Um lance curioso aconteceu com Werner Marote. Após rodada no primeiro setor o simulador não computou sua passagem e ele deu duas voltas considerando que era apenas uma. A administração agiu devido ao erro do simulador e aplicou uma volta ao somatório do piloto, que com isso se recuperou da quinta para a terceira posição e na volta do líder.
Bruno também cai do servidor e deixa a disputa da vice-liderança em aberto. Entretanto sua sétima posição já era suficiente para empatar com Prediger em caso de vitória do piloto da Schnell e pelos critérios de desempate dar o vice para o piloto da BMRS.
Restando 15 minutos para o final da prova João Hebert tem seu motor estourado e dá adeus a prova e a disputa do título até o momento.


Após o fim da bandeira amarela a relargada foi dada restando apenas uma volta para o final. Felipe Lima saia na frente, com Prediger logo na cola e Czerkawsky em terceiro. Nos GTs Alisson liderava, seguido de John e Cadu.
As posições não se alteram e mesmo após fortes tentativas tanto de Prediger quanto de John, Felipe Lima vence pela DP e Alisson Borges pela GT, porém o piloto da MTech Academy foi punido por um corte na saida de box em seu primeiro pit stop e com isso John Martins herdou a vitória. Com a segunda posição acabou ficando Emerson Czerkawsky após uma punição por corte de boxes por parte de Prediger que acabou em terceiro. Nos GTs a segunda posição acabou ficando com o punido Alisson Borges e Cadu Maciel fechando em terceiro lugar

Resultado Prototipos
.
Resultado GTD

Punições e Protestos da etapa
Corte de boxes:
Lino Palladino - 2x
Ricardo Prediger - 1x
Kleber Neto - 1x
Fernando Esquitino - 1x
Vinicius Gonçalves - 2x
Bruno Miranda - 1x
Alisson Borges - 1x
Edgar Horst Jr - 2x
Dani Gomes - 2x
Fabricio Matheussi - 1x
Tito Tomey - 2x
Cristiano Gomes - 2x
Paulo Rodrigues - 1x
Werner Marote - 1x

Carteira de pontos

Pontuação de pilotos
Prototipos:
Matheussi já campeão antes da etapa fechou a temporada com 116 pontos, contra 85 de Bruno Miranda e 76 de Ricardo Prediger.


GTD
John Martins consegue a virada, e conquista o titulo com 100 pontos em uma recuperação que lhe deu quatro vitorias, João Hebert ainda conquistou o vice campeonato com 88 pontos graças a punição de Alisson Borges que ficou com 87 pontos.


Pontuação de pilotos
Prototipos
a RM Racing estréia com o titulo de equipes, com 116 pontos, enquanto a BMRS Motorsports fecha a temporada com 103 pontos, e a MS-2 Motorsports fez 98 pontos em sua terceira colocação


GTD
A MTech Academy fecha a temporada com o titulo de equipes com 130 pontos, enquanto a CTE Racing HVM fez 124 pontos, a MTech Sports fechou o podio das equipes com 74 pontos.


Em uma das temporadas mais fortes no quesito disputa a VORC Series fecha a temporada com um saldo bem positivo, uma boa média de pilotos em cada etapa do campeonato, gerando uma grande ansiedade para a T1 de 2019 onde a categoria passará a contar com 3 classes, como foi na categoria real em 2018.

Vt da Etapa