MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Com novo show, New Jersey mostra uma IMSA Series forte.


Pela terceira etapa da IMSA Series, foi a vez de New Jersey chegar, uma pista levemente técnica. Estreita onde as confusões e toques aconteceram aos montes, mas novamente a corrida contou com longo stinti de verde, onde a corrida contou apenas com uma bandeira amarela, ao todo foram 27 carros na pista.

QUALIFICAÇÃO:
DPI
Na DPI, João Bregonci (Fly Racing) colocou o seu Lola B12 na pole position com 1:09,128, em um uma das qualificações mais disputadas com os 5 primeiros a menos de um segundo um do outro, Felipe Lima (MS-2 Motorsports) foi o segundo colocado com1:09,152. Ainda estiveram entre os 8 carros da etapa, Ricardo Prediger, Bruno Fernandes, Ernesto Brock, Cristiano Gomes, Emerson Czerkawsky e Dani Gomes fechando o grid da classe.



GTLM
Thiago Procopio (Fitness Snow Schatten) segue mostrando seu domínio na classe, com uma pole com mais de um segundo sobre o peruano Tito Tomey (Owl Racing), seu companheiro e compatriota Renzo Sanchez largou em terceiro, e Werner Marote (Team Schnell) saindo do quarto lugar, completaram os 10 do grid, Wendel George, Fabio Santos, Luciano Rocha, Rogério Reis, Vinicius Gonçalves e João Hebert.



GTD
John Martins (Herdez) fez a pole position com 1:16,975, contra 1:17,201 de Cadu Maciel (BSP Racing) que vem em crescente no campeonato, Alisson Borges saiu do terceiro lugar seguido de seu companheiro de 4EverBr, Cyro Santana. Ainda fecharam o TOP 9, Lino Palladino, Diego Moreira, Edgar Horst Jr, Michel Oliveira e Sidney Santos.



CORRIDA:
O Traçado de New Jersey ajudou bastante na largada que foi bem tranquila, os 27 carros fizeram as primeiras voltas de forma bem tranquila, apenas na volta 10 que foi haver um problema onde a bandeira amarela foi agitada pela primeira vez, em virtude do acidente entre Thiago Procopio e Werner Marote, o piloto da Fitness Snow Schatten levou a pior, e após o acidente teve de abandonar a corrida.
Após esta amarela, o que se viu foi a corrida fluir em verde até o seu final, com muitos momentos de disputas em cada classe, onde as estratégias de pits na amarela e quem continuou na pista acabou fazendo janelas diferentes de paradas, a cada volta as disputas ficavam intensas com as ultrapassagens entre classes acontecendo a todo momento.


Ao final de 71 voltas, na DPI, Ricardo Prediger havia cruzado em primeiro, mas por uma punição pós corrida, Com isso Felipe Lima venceu o Gp de New Jersey com Prediger em segundo e Ernesto Brock com o terceiro lugar na corrida.



Na GTLM, Werner Marote acabou vencendo, mas tendo duas punições e com isso perdeu a vitória para o Peruano Tito Tomey da Owl Racing, completando uma dobradinha com seu companheiro Renzo Sanchez que foi o segundo colocado, Werner Marote ainda conseguiu um terceiro lugar ao final da prova.



Encerando a GTD, que teve John Martins que conquistou a sua terceira vitória na temporada, Cadu Maciel foi o segundo colocado, enquanto Sidney Santos se recuperando no campeonato conquistou o terceiro lugar ao final.




PROTESTOS E PUNIÇÕES
T.Procopio > W.Marote – volta 10 – N2, +20s – O piloto fecha a curva até mesmo antes da hora causando o acidente.

W.George > W.Marote – volta 26 – N2, +20s – O #61 acompanhava um GTD, e o #87 simplesmente não tira o pé na curva e sai empurrando-o até o fazer rodar.

J.Hebert > W,George – volta 58 – Indeferido, não é o piloto que se enrosca ao #64 que roda e causa o desvio de rota do #61 se ocorre por causa do #64 rodando na frente do mesmo.

A.Borges > B.Fernandes – volta 8 – Indeferido, toque na saída de curva, apenas saindo levemente da pista, sem maiores problemas. favor pedimos ao protestante que saiba relevar algumas situações.

A.Borges > W.George – volta 18 – N2, +20s – Toque do #61 ao #65.

A.Borges > W.George – volta25 – N2, +20s – Toque do #61 ao #65

J.Bregonci > W.Marote – volta 34 – Indeferido, um erro de escolha de um momento, o que acontece a todo momento em corridas deste porte, favor pedimos ao protestante que saiba relevar algumas situações. E não existe bandeira azul na categoria para isso ser motivo de protesto.

R.Prediger > B.Fernandes – volta 41 a 44 – Indeferido, Não existe bandeira azul neste tipo de categoria.... o mesmo disputa para dar uma volta em um piloto do mesmo gabarito é mais complicado e o mesmo não era obrigado a deixar passar, o mesmo inclusive consegue se distanciar antes do #87 ir aos boxes. favor pedimos ao protestante que saiba relevar algumas situações.

A.Borges > W.George – volta 54 – N2, +20s – O piloto roda o #65 na saída de curva, sem respeitar a limitação de reaceleração do GTD #65, inclusive pede-se ao piloto do #61 que evite o uso de farol nesses casos..

A.Borges > J.Bregonci – volta 50 – N2, +20s – o DPI #30 ao ver o carro #65 lento após o mesmo ter tomado uma pancada de outro carro, não faz menção em reduzir a velocidade na curva e acaba se chocando com o GTD. Pedimos ao piloto ter um pouco mais de paciência nesses casos e reduzir a aceleração nesses casos.

J.Bregonci > A.Borges – volta 58 – Punição ganha pelo #65. o DPI #30 ao ver o carro #65 lento após o mesmo ter tomado uma pancada de outro carro, não faz menção em reduzir a velocidade na curva e acaba se chocando com o GTD. Pedimos ao piloto ter um pouco mais de paciência nesses casos e reduzir a aceleração nesses casos.

A.Borges > B.Fernandes – volta 69 – N+1 +N1 – 20s - Punição ao DPI #81, o mesmo vem seguindo o GTD #65, um GTLM o #61 estava rodado, o #65 notoriamente reduz por segurando, enquanto o #81 fica piscando o farol reclamando sem parar e ainda passa forçando pelo #65 mesmo em situação de bandeira amarela local, com isso foi aplicada punição pela passagem forçada e o uso excessivo do farol em local e condição fora de contexto. Pede ao #81 que se atente a esse tipo de atitude e inclusive em situações de amarelas locais.

A.Borges > C.Maciel – volta 13 – indeferido – Toque nos boxes causado pelo #64 que estava parado a frente do #3, e o #3 ao sair encosta nele, o toque acontece, mas não é justificável o drama feito no protesto como se tivesse desmanchado o carro #65., pede-se ao #65 que pare de ficar mencionando “meus carro sofrendo danos, “ficando danificado” e coisas do tipo, apenas cite o ocorrido é somente essa informação que precisamos e isso não vai mudar algo no contraponto do protesto.

J.Bregonci > R.Prediger – volta 64 - +20s, +N2 – O piloto #87 vem tentando ultrapassagem sobre o #30, apesar de no momento da corrida aparecer que o #30 estava uma volta atrás, mas na verdade era disputa por posição em virtude de um bug momentâneo de posicionamento, mas o #87 se coloca sobre a zebra enquanto o #30 aguarda a saída de curva do GTLM da Owl Racing, o #87 por cima da zebra acaba se tocando com o #30 quando o mesmo desvia da traseira do GTLM, nota-se no vídeo que o #87 continuo em aceleração quando há o toque, já que tentava sair mais lançado, mas acaba o tocando.
Pede-se ao #87 que pare de usar o argumento “bandeira azul” em seus protestos e defesas.

C.Santana > C.Gomes – volta 58 - +20s, N2 – O DPI acaba se tocando ao #65 ocasionando saída para fora da pista.

F.Santos > R.Reis – volta 49 - +20s, N2 – O #11 acaba tocando no piloto quando foi levar uma volta, ocasionando uma batida forte entre os carros.


FEEDBACKS
J.Bregonci > W.Marote, o mesmo diz de vc “Piloto constantemente tem ignorado bandeira azul, dificultando ultrapassagens, não escolhe lado, nem de dnetro, nem de fora para q dp possa escolher um caminho e passar, fica fechando a porta.

J.Bregonci > W.George, o mesmo diz de vc “Favor escolher um lado ao receber bandeira azul, de dentro ou de fora, para q dp siga um e possa passar, tanto na primeira etapa qnt nessa, fechou a porta e fica disputando com dp.


J.Bregonci > R.Prediger, o mesmo diz de vc “Piloto tem inventado pontos de ultrapassagens, causando colisões constantemente, peço paciência, tive duas corridas destruida pelo msm, favor respeitar, esta virando estilo marc marques, indo pro tudo ou nada e prejudicando.”

S.Santos > L.Rocha,  o mesmo diz de vc “Piloto tenta mergulho sendo que não havia espaço suficiente para manobra.”

S.Santos > F.Santos, o mesmo diz de vc “ex. como o companheiro do Luciano, nesta curva eu tive tempo de reação pra espalhar e deixar passar já seu companheiro fez o mergulho no S, muito imprevisível.”

J.Hebert > W.George – A Liga solicita ao piloto que fale diretamente com o Wendel, não temos o dever de falar sobre estratégias, isso é de cada um e entre vocês.

S.Santos > F.Santos – Sobre o FairPlay de tirar o pé, pode ser conversado diretamente com o piloto facilitando assim o entendimento do mesmo.


CARTEIRA DE PONTOS POR PUNIÇÕES:



Wendel George largará dos boxes em Houston.
João Bregonci não fará qualy em Houston.
Werner Marote não fará qualy em Houston.

Os pilotos que estouraram os 8 pontos na classes, perdem o direito de disputar a classe na T2, tendo eles de ir a classe abaixo.

CAMPEONATO DE PILOTOS:
DPI


GTLM


GTD



CAMPEONATO DE EQUIPES:
DPI



GTLM



GTD




PRÓXIMA ETAPA:
A Categoria agora vai a Houston, para a corrida noturna no circuito de rua onde a Champ Car correu pelo ano de 2005-2006, em conjunto com a ALMS.
É um circuito curto, onde com certeza as negociações para ultrapassagem vai ser muito importante aos pilotos.


VT DA ETAPA



Leia Mais... ►

Brands Hatch em corrida emocionante coloca Prediger no lugar mais alto.



A GT4 Series chegou para a sua segunda etapa na temporada, o circuito inglês de Brands Hatch em sua versão longa recebeu 13 carros para a segunda etapa, com algumas faltas inclusive pelo fato de alguns pilotos não terem o DLC British Pack, mas mesmo com 13 carros a corrida não deixou de ser emocionante do inicio ao fim,

QUALIFICAÇÃO:
Thiago Procopio mais uma vez cravou a pole position com a sua Fitness Snow Schatten, com o tempo de 1:31,162, enquanto Ricardo Prediger (Team Schnell) saiu em segundo com 1:31,585, Felipe Lima (MS-2) e Cadu Maciel (BSP Racing) fecharam a segunda fila, ainda ficaram no TOP 10: Paulo Rodrigues, Ernesto Brock, Anderson Medeiros, Alexandre Oliveira, Arthur Targa e Emerson Czerkawsky.

CORRIDA:
A largada da etapa mostrou que a prova seria interessante, com uma bobeada na largada, Thiago Procópio acabou largando muito mal, e com isso Felipe Lima deu um salto para a ponta da prova, seguido de Ricardo Prediger. Outra grande surpresa da largada foi Emerson Czerkawsky (CTE Racing HVM) que pulou de 10
º para 4º com a seu KTM.
A primeira amarela da temporada aconteceu na 10
ª volta com Marco de Andrade (MTech Sports) que acabou pisando na grama e indo de encontro ao muro destruindo o seu Porsche Cayman. Ninguém foi aos boxes, e na relargada seguiu o pega entre Felipe Lima e Ricardo Prediger que atacava Lima de todas as formas tentando um espaço.
Thiago Procopio que tentava a recuperação, mas um acidente sozinho estragou sua estratégia até então.
Mas como sorte pouca é bobagem, uma nova amarela, desta vez com Eduardo Antonini na volta 20, com isso o grid se juntou novamente e mesmo Thiago Procopio que havia ficado para trás.
Pouco antes do final da prova Ricardo Prediger encontra um ponto de ultrapassagem e consegue passar por Felipe Lima assumindo a ponta da prova.
Ao final de 37 voltas e pouco mais de uma hora de corrida, Ricardo Prediger vence a etapa de Brands Hatch, com Felipe Lima em segundo e Ernesto Brock (HVM Racing Team) conquistando o terceiro lugar no campeonato.


CAMPEONATO DE PILOTOS:


CAMPEONATO DE EQUIPES:


PRÓXIMA ETAPA:
A próxima etapa será no circuito italiano de Enna Pergusa, circuito italiano muito famoso pelo tempo que foi etapa da F3000 e que fica em volta de um lago, é uma caracterisca de alta velocidade com chicanes servindo de quebra de velocidade.



VT DA ETAPA:


Leia Mais... ►

A Batalha de Rivera!



A TCR Sudamericana, agora chega ao grande prêmio de Rivera no Uruguai, com 29 carros presentes mais uma vez a TCR mostra o grid cheio é uma grande amostra de como os pilotos estão engajados no projeto. As 3 baterias seriam com certeza de grande emoção, dada a proporção dos treinos e da pista que apesar de um desenho aparentemente fácil, tem uma parte técnica para fazer os pilotos terem muito trabalho.

QUALIFICAÇÃO:
Leonardo Lopes (Black Wings) fez a segunda pole da temporada, tendo Cadu Maciel (BSP Racing) que fazia sua estreia na temporada vindo em segundo, o terceiro foi John Martins (CTE Racing HVM) com Ernesto Brock (HVM Racing) passando em quarto, ainda completaram o TOP 10, Tito Tomey, Alexandre Oliveira, Givaldo Spindola, Gilson Rodrigues, Renzo Sanchez e Emerson Czerkawsky.


BATERIA 1:
Na largada marcada por bastante confusões, 20 dos 29 pilotos terminaram a bateria, que foi bastante movimentada nas disputas, a proximidade entre os primeiros colocados mostrou um alto nível entre os que brigaram pelo podium, ao final de 15 voltas, Leonardo Lopes venceu a bateria, com Cadu Maciel aparecendo em segundo lugar e John Martins fechando com o terceiro lugar do podium. Tonga Guardia foi o decimo colocado, e com isso viria a sair da pole na segunda bateria, com Alexandre Oliveira dividindo a primeira fila com ele.


BATERIA 2:
A segunda bateria seguiu tendo acidentes na largada, vários pilotos ficaram pelo caminho em virtude disso, Leonardo Lopes fazendo uma corrida de recuperação, vinha se mantendo atrás das disputas onde os pilotos acabavam errando ou se tocando, ao final de 14 voltas John Martins venceu a bateria 2, com Leonardo Lopes conseguindo o segundo lugar, e Cadu Maciel fechando o terceiro lugar e conquistando o segundo pódio do dia após a desclassificação de Tonga Guardia, que havia sido o terceiro, mas o não envio do LOG gerou a desclassificação.
A Pole ficou com Ernesto Brock, com Renzo Sanchez em segundo para a primeira fila da bateria 3.


BATERIA 3:
A derradeira bateria chegou mais uma vez com acidentes na largada, onde os pilotos parecem que não aprenderam como largada nesta pista, ainda mais no fundo do grid.
Ernesto Brock liderou de ponta a ponta e venceu a terceira bateria, com John Martins conquistando o terceiro pódio da noite, e Leonardo Lopes em terceiro também indo ao pódio em todas baterias,


Ai final de 3 baterias o campeonato tem um empate para lá de histórico, os pilotos estão empatados nos 6 resultados possíveis, mas Lopes leva a melhor por ter 2 pole positions no campeonato até o momento.

PROTESTOS E PUNIÇÕES:
BATERIA 1
R.Guerra > S.Diez – Indeferido – O piloto do #21 que se toca com outro carro, e em virtude disso perde velocidade e em virtude disso #25 não consegue frear a tempo e mesmo tentando desviar atinge, mas o #21 que perde velocidade repentinamente.

Direção > G.Rodrigues – DQ – O piloto não deveria ter feito qualy, e foi a pista passando batido a ilegalidade no final do qualy, com isso o piloto foi desclassificado e terá de largar dos boxes na próxima. +1 ponto na carteira.

BATERIA 2
D.Gomes > R.Sanchez – Indeferido – O piloto estava em disputa com o #25, o que acabou o fazendo mudar o traçado e na hora de tentar voltar ao ideial, acabou recebendo um toque do #52, porém foi considerado de corrida, em virtude dele estar fora do traçado naquele momento.

D.Gomes > A.Medeiros – N2, +20s, 2pts na carteira – O toque entre o #93 e o #77 acabou gerando um big one, o #93 acabou indo forte para cima do #77 que vinha em menor velocidade, mas o campo de visão do #93 daria pra perceber e tentar evitar o acidente naquele ponto.

R.Guerra > T.Luiz – N2, +20s, 2 pts na carteira – O Piloto do #97 bate na traseira do #21.
*O piloto perderá 10 posições no próximo grid em virtude da punição não ser aplicada por causa do abandono.

Direção > T.Guardia – DQ, não envio de LOG.

Direção > P.Rodrigues – N1, +10s, 1 pt na carteira – Desrespeitou a solicitação da liga dos pilotos não largarem com faróis acesos acendendo apenas na volta 2 em diante.


BATERIA 3
R.Guerra > D.Gomes – N2, +20s, 2 pts na carteira – O piloto do #77 bate na traseira do #21.
O piloto perderá 10 posições no próximo grid em virtude da punição não ser aplicada por causa do abandono.

CARTEIRA DE PONTOS:
G.Rodrigues - +4 pontos
A.Medeiros - +2 pontos
T.Luiz - +2 pontos
D.Gomes - +2 pontos
P.Rodrigues - +1 ponto
S.Diez - +1 ponto

PONTUAÇÃO PILOTOS:


PONTUAÇÃO EQUIPES:


PONTUAÇÃO NATIONS CUP:


PONTUAÇÃO MARCAS:


PRÓXIMA ETAPA:
A Próxima etapa do campeonato, será no



VT DA ETAPA:



Leia Mais... ►

Rodrigo Vicente vence em Lausitz em corrida emocionante.



A Segunda etapa da Champ Car chegou a Europa, para o primeiro oval da temporada, Lausitz oval utilizado por 2 anos na Champ Car, a corrida era esperada como grande incógnita por se tratar de um oval bastante técnico, se a corrida seria acidentada ou não, mas no final a corrida foi um show a parte com muito tempo de bandeira verde e com final digno de Indy 500 com a famosa guerra das estratégias e um final pra de emocionante.

QUALIFICAÇÃO:
Diego Said (Black Wings) foi o mais rápido, com o tempo de 36,678 enquanto Rodrigo Vicente (BSP Racing) foi o segundo com 36,773, Fabio Marques (Black Wings) e Luiz Gustavo foi o quarto com sua BSP Racing 2.
Ainda completaram o TOP10, Levi Ávila, Cadu Maciel, Nathan Marchon, Cyro Santana, Alexandre Oliveira e Emerson Czerkawsky.



CORRIDA:
A Etapa já começou com um acidente logo na largada, com uma má largada de Fabio Marques, que acabou fazendo Levi Ávila (Team Schnell) ficar lento e um efeito em cadeia foi realizado, com Alexandre Oliveira (HVM Racing Team) se batendo com outros pilotos ainda sobrando para o Portugues Paulo Rodrigues (Time XtraBe) e Lino Palladino (Team CTR) que tiveram também de ir aos boxes.
Após a relargada um longo período de bandeira verde foi realizado, com as estratégias de pits stops falando alto, Luiz Gustavo liderou a maior parte da prova, quem apareceu andando forte com uma parada em volta diferente, foi Felipe Lima (MS-2 Motorsports) que chegou a liderar a prova, a 20 minutos do final, uma nova amarela, fez com que praticamente todo mundo fosse aos boxes, mas este tempo não seria o suficiente para ir até o final, na relargada antes mesmo de acontecer, Lino Palladino se toca com outro piloto e acaba perdendo a asa, no susto Emerson Czerkawsky (HVM Racing Team) acaba rodando e uma nova amarela é agitada, a 15 minutos do fim é dada a relargada, Rodrigo Vicente liderava a prova, com Ricardo Prediger em segundo. Restando 5 minutos, os pilotos começam a ir aos boxes, mas Diego Said assumiu a ponta em uma estratégia onde ele visava economizar lhe colocou a frente, mas no final o piloto teve de ir aos boxes, e após as paradas Vicente era líder, com Prediger em segundo e Emerson Czerkawsky em terceiro, Said voltou em quarto duelando com Luiz Gustavo.
Ao final de 81 voltas, Rodrigo Vicente venceu a segunda corrida da temporada, com Ricardo Prediger em segundo, Emerson Czerkawsky ficou sem combustível a metros do final, com isso Diego Said venceu o duelo com Luiz Gustavo foi o terceiro, com Gustavo sendo o quarto, e Czerkawsky ainda cruzando a linha no quinto lugar.



CAMPEONATO DE PILOTOS:



CAMPEONATO DE EQUIPES:



PRÓXIMA ETAPA:
Agora a categoria vai e Edmonton no Canadá, circuito que a categoria andou por vários anos, inclusive no pós "unificação", é um traçado rápido, em um aeroporto, com alguns trechos mais lentos.



VT DA ETAPA:



Leia Mais... ►

Disputas acirradas em Barber, trazem show a corrida da IMSA Series


 

A IMSA Series trouxe na sexta dia 29/03 a segunda etapa da categoria, com 32 carros no grid das 34 vagas fixas, a corrida era esperada como a etapa mais desafiante da temporada, pelo fato do circuito localizado no Alabama ser uma montanha russa de subidas e descidas, e acrescentando a isso, o fato da etapa ter 1 horas e 45 de duração fazendo os pilotos sofrerem um bocado.

QUALIFICAÇÃO:
DPI
Bruno Fernandes foi o mais rápido, o piloto da Fitness Snow Schatten fez o tempo de 1:11,837 numa disputa acirrada com João Bregonci (Fly Racing) que cravou o tempo de 1:11,852. O grid da categoria contou com 9 carros.


GTLM
Thiago Procopio novamente foi o Pole da categoria, com o tempo de 1:17,706, correndo com seu Ford GT da Fitness Snow Schatten, Wendel George (CTE Racing HVM) foi o segundo colocado.


GTD
Já na terceira categoria, John Martins (Herdez) cravou a pole da categoria com o tempo de 1:20,044, muito próximo do tempo de Sidney Santos (M Tech Academy) que foi o segundo colocado com 1:20,114 de 11 carros que estiveram na classe.


CORRIDA:
A Corrida teve um inicio bem tranquilo, dos 32 carros de cara Bruno Seixas (TCH Team) acabou tendo problemas e não largou, a corrida seguiu um bom stinti de verde, até que a primeira amarela foi deflagrada quando Bruno Miranda sofreu um forte acidente destruindo o seu DPI da Aguiatech BMRS, o Ligier do piloto ficou completamente destruído.
Após a relargada a corrida voltou a fluir bem, sempre em bom ritmo.
Outra amarela foi a de Rogério Reis que se acidentou no ultimo setor.
Ao todo a corrida teve 4 amarelas, e no final o bicho pegou, após acidente de Emerson Czerkawsky no trecho final da corrida, o piloto da HVM causou a amarela, Ernesto Brock (HVM) arriscou em parar tentando uma nova estratégia. Felipe Lima (MS-2) não parou e estava liderando com João Bregonci em segundo e Ricardo Prediger (Team Schnell) em terceiro.
A relargada foi dada e o que se viu foi brigas para todos os lados nas três classes, na DPI, João Bregonci tentou atacar Felipe Lima de todas as formas e no trecho final se viu sendo atacado por Prediger que em uma manobra por fora, acabou se enroscando com o piloto da Fly, pior para Bregonci que foi ao muro, Felipe Lima foi o vencedor da etapa, Prediger até passou em segundo, mas com a punição pelo toque em Bregonci, caiu para o quarto lugar. Ernesto Brock com isso herdou o segundo lugar, Dani Gomes (Chrome Racing) foi o terceiro colocado no final.
Na GTLM, a briga foi intensa também, Procopio que havia errado e batido no carro de Emerson Czerkawsky quando o mesmo já estava batido, fez um pit stop na amarela, Wendel George com isso liderava a prova, no final embos brigaram pela ponta, mas Wendel venceu a corrida, porém o piloto foi punido por um toque no GTD de Cadu Maciel, e como Procopio havia também se tocado com Fabio Santos (#268 Racing) e jogado o piloto para fora da pista, foi punido também, ao final a vitória sobrou nas mãos de João Hebert (M Tech Sports), com grande corrida de Vinicius Gonçalves (Aguiatech BMRS) em segundo e Werner Marote (Schnell) pegando o terceiro lugar no pódio.
Encerrando as classes, na GTD, A briga também foi intensa, após Cadu Maciel (BSP Racing) ficar de fora pela briga ao ser tocado por Wendel George, John Martins acabou vencendo a corrida, com um fantástico segundo lugar de Lino Palladino (Team CTR) em segundo, Alisson Borges (4EverBr) havia passado no terceiro lugar, mas acabou sofrendo uma punição por ter parado com os boxes fechados, e com isso Cadu Maciel ainda herdou o terceiro lugar no podium.

DPI



GTLM



GTD


PROTESTOS E PUNIÇÕES:
J.Bregonci > R.Prediger – N2, +20s 2pts carteira – Toque causando acidente.

J.Bregonci > M.de Andrade – Indeferido – O piloto espalha mas foi por erro e aproveitando para dar espaço aos demais o piloto do #30 que pega o lado errado no momento da escolha.

C.Maciel > R.Sanches – N2, +20s 2 pts na carteira – Batida por trás.

C.Maciel > A.Borges – N2, +20s 2 pts na carteira – Denuncia de entrada nos pits com os boxes fechados.
*A analise feita, verificou que o piloto do #65 não havia passado do semáforo e com isso deveria ter passado reto sem parar nos boxes, tanto comparando o timimng de transmissão quanto o de quando o lider geral tira o pé no momento da amarela, para comparar indo quando o mesmo estivesse aberto.


Direção > C.Maciel – 3 pts na carteira – Escritas desnecessária no protesto.

C.Maciel > W.George – N2, +20s 2 pts na carteira – Toque em carro da classe inferior o fazendo rodar.

F.Santos > J.Bregonci – N2, +20s 2 pts na carteira – Toque em carro da classe inferior em mergulho em ponto onde não poderia, acabando fazendo o GTLM #84 ir para fora da pista.

F.Santos > T.Procopio – N2, +20s 2 pts na carteira - Toque em carro ao tenta aplicar volta, fazendo o carro #84 sair da pista.

F.Santos > E.Horst Jr – N3 + N1x4, +70s 7 pts na carteira – o piloto de classe GTD, se faz de manobra anti-desportiva, ao segurar o #84 que era da classe GTLM, o piloto do #51 segura e defende a posição de forma desnecessária e desrespeitando qualquer logica ao defender posição de um carro de classe superior, ainda se situando que a situação foi em causa de ajudar a um companheiro de equipe da classe GTLM logo atrás, deixando o companheiro passar e voltando a atrapalhar propositadamente, através dessa situação o piloto sofreu punições pelas fechadas e pela atitude anti-desportiva, o mesmo passa a ficar sob observação até o final do ano correndo o risco de sofrer mais punições ou mesmo exclusão da liga por ferir os critérios éticos da liga.
O piloto ficará sem qualy na próxima etapa por não ter como adicionar a punição em pista por ter abandonado a prova.

Direção > S.Santos – Larga dos boxes na próxima etapa, o piloto abandona a prova em meio ao circuito sem cumprir o regulamento de chamar a direção de prova se ter a sua permissão, ainda mais causando modificações ao andamento da corrida, pois o ponto em que abandonou teria causado uma amarela.

CARTEIRA DE PONTOS



CLASSIFICAÇÃO DPI
Pilotos:


Equipes:


CLASSIFICAÇÃO GTLM
Pilotos:


Equipes:


CLASSIFICAÇÃO GTD
Pilotos:


Equipes:


PRÓXIMA ETAPA:
Chegando a sua terceira etapa, a categoria agora entrará em disputa no circuito de New Jersey, autódromo americano que recebeu a Grand Am por um período. A etapa terá duração de 90 minutos.



VT DA ETAPA


Leia Mais... ►