MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Em corrida marcante e erro de estratégia de adversário, Leonardo Lopes vence a primeira bateria. Pedro larga de 17º e vence a segunda.



A VORC Series retornou ao seu calendário na sexta-feira 25/01 para a primeira etapa da Clio Cup, diretamente do circuito de Dijon, na França. Categoria que prometia muito devido ao equilíbrio, e fez jus a promessa!

QUALIFICAÇÃO
Com grandes nomes do Automobilismo Virtual a Clio Cup chegou a Dijon com a promessa de uma grande etapa e fortes disputas, que se mostrou desde a classificação com a pole position de Gustavo Frigotto, da Fitness Racing Snow Schatten. Leonardo Lopes veio colado, pouco mais de um décimo atrás. Pedro de Oliveira foi o terceiro. Ernesto Brock, Givaldo Spindola, Dani Gomes, Anderson Medeiros, Jesus Neto, Paulo Tempera e Marco Parma, completaram os 10 primeiros da etapa.
Confira abaixo a classificação completa:


BATERIA 1
Na largada da primeira bateria, foi Pedro que deu o pulo do gato. Saindo da terceira posição, assumiu a liderança ainda na reta principal. Brock também mostra a que veio e faz boa largada, ganhando a posição de Leonardo na luz verde.
Infelizmente nem tudo são flores e com 26 pilotos em pista, alguns incidentes surgiram ainda na primeira curva. Um dos envolvidos foi Felipe Granado que acabou se chocando com o muro após tentativa de manobra em seu companheiro de equipe, Emerson Barina. Sobrando ainda no mesmo acidente para Alexandre Oliveira que perdeu seu para-choque na confusão. Saldo negativo nesse começo de prova para a Herdez Competition
Givaldo Spindola e Pedro Santos também se estranham e acabam se chocando, antes da segunda curva e ainda na primeira volta, sendo impossível a continuação dos pilotos após a colisão mais forte.
Com as várias baixas no momento, e ainda precocemente, os sobreviventes tentavam controlar seus carros e a ansiedade por colocações mais à frente.
No ínicio do segundo giro a prova seguia com Pedro de Oliveira na liderança, seguido de perto por Gustavo Frigotto. Ernesto Brock, Leonardo Lopes e Anderson Medeiros vinham em boa briga pela terceira posição. Paulo Tempera, Jesus Neto, Marco Parma, Jorge Dillerva e Emerson Czerkawsky eram os 10 melhores colocados da corrida.
No ínicio do terceiro giro, Frigotto parte com tudo para cima de Pedro e realiza bela ultrapassagem na primeira curva, dando pinta de um bom ritmo. Na terceira curva, é a vez de Leo Lopes partir para cima de Brock e concretizar o retorno a terceira posição da prova.
No início do quarto giro, é a vez de Emerson Czerkawsky, John Martins e Jorge Dillerva protagonizarem uma cena que seria vista algumas vezes durante as disputas, os três, na disputa pela 9ª posição, vieram em 3-wide a reta principal inteira, dando a chance da disputa se prolongar até a freada da T1. Manobra em que John consegue de forma maestral, segurar a posição de disputa.
Marcio Medeiros também foi um dos acidentados da noite. Em freada forte para descida da T4, perde a traseira de seu carro e acaba se chocando com o muro.
Leonardo Lopes, no ínicio do 5º giro, se perde na primeira curva, erra e cai para 5 posição da prova, ficando com a responsabilidade imensa de retomar o ritmo e buscar novamente as primeiras posições.
As brigas seguiam forte por toda pista, destacando a briga pela décima posição já na altura da décima volta. Jonathan Brochier, Tonga Guardia, Tarso Marques e Jorge Dillerva faziam grandes manobras buscando a posição que pudesse dar a eles a chance de largar a frente na segunda bateria, já que para a mesma, o grid é invertido para os 10 primeiros postos.
No final da volta 17 a primeira cena, que ficaria marcada na noite. Pedro de Oliveira apresenta problemas com o combustível e vem para box. Prejuízo garantido, já que nesse momento, daria adeus para as primeiras posições. Para piorar, se choca contra o muro de entrada dos boxes e fica 1 minuto parado, caindo para a 17ª posição.
Ernesto Brock e Leo Lopes ainda batalham pelo segundo posto, mas Léo leva a melhor e assume a posição.
E assim é fechada a primeira bateria. Na pista, Frigotto vence, porém, devido a um problema no output file do LOG, faz com que o piloto seja desclassificado, conforme normas do regulamento.
Dessa forma, Leonardo Lopes vence a primeira bateria, com Brock em segundo e John Martins em terceiro. Jesus Neto, Marco Parma, Emerson Czerkawsky, Alexandre  Oliveira, Tonga Guardia, Tarso Marques e Jorge Dillerva, completam nas dez primeiras posições.


BATERIA 2
A segunda bateria começaria a pouco do final da primeira, proporcionando mais 25 minutos de emoção. Ao contrário da primeira bateria, a largada da segunda bateria foi excelente e ninguém teve problemas ou confusões na primeira curva. O problema foi na T4, onde alguns pilotos se envolveram em acidentes, entre eles, Anderson Medeiros, piloto da BSP, que comprou um acidente pronto entre percalços dos toques a frente. Marcelo Vieira e Pedro Santos também foram envolvidos na ocasião.
No final da primeira volta a ordem era a seguinte: Tarso Marques, Tonga Guardia, Alexandre Oliveira, Emerson Czerkawsky brigavam ferrenhamente pela primeira posição, Marco Parma, Jorge Dillerva, Ernesto Brock, Pedro de Oliveira, Jesus Neto e John Martins, ocupavam os 10 primeiros, destaque para Pedro, que largara em 17º.
No final da 2ª volta, Marco Parma e Jorge Dillerva se esbarram, facilitando a manobra de Pedro, pra cima dos dois, que ocuparia a 6ª posição.
Pouco afrente, no comecinho da 3ª volta, Alexandre Oliveira, se enrosca com Ernesto Brock, que cai para a 6º colocação. Atrás dele, a briga entre Jorge Dillerva, Neto Silva e Marco Parma, sobrou tinta para todos, mas as manobras não prejudicaram ninguém.
Com as confusões, Pedro encosta em Alexandre, já na briga pela terceira posição. Gustavo Frigotto, que largou em 10º e chegou a cair algumas colocações, era o nono e já mostrava sua recuperação.
Emerson Czerkawsky liderava com Tonga Guardia em seu cangote e as disputas sempre limpas, começaram. Tonga erra a entrada da ultima curva, permitindo o ataque de Alexandre e Pedro, que formam um 3-wide na longa reta de Dijon, com preferencia da curva para Pedro, que assume a segunda posição, seguido de Alexandre. Tonga cai para quarto lugar na manobra dupla.
No momento em que Pedro assumia a liderança, Frigotto vinha na sétima colocação, também escalando o pelotão.
Nomes que figuravam as primeiras posições na primeira bateria, como Leonardo Lopes, ocupava a 10ª posição nessa altura. Givaldo Spindola, que também fez boa corrida na primeira parte da noite, ocupava a modesta 17ª colocação.
Tonga que chegou a ser segundo na prova, começava a ser superado por seus adversários, John Martins e Gustavo Frigotto fizeram ótimas ultrapassagens e deixavam o Hermano, Tonga, na sexta posição.
 Destaque muito grande para a disputa dos pilotos da HVM, que ocupavam a segunda e terceira posição, Emerson Czerkawsky e Alexandre Oliveira. A briga perdurou por toda a corrida, convidando outros pilotos. John Martins chegou e passou. Alexandre e Emerson, ficaram para Dani Gomes, que em grande corrida, mostrou toda sua força na disputa, Jesus Neto também chegava na última volta, prometendo uma grande briga.
Dito e feito, na ultima curva, Jesus Neto consegue sair mais lançado que Emerson e John, finalizando a corrida a frente de John por 4 milésimos e atrás de Emerson, apenas 1. Os carros chegaram lado a lado coroando uma excelente etapa.
La na frente, Pedro confirmou a vitória, seguido de Alexandre Oliveira, que viria assim como Frigotto ser desclassificado por não envio de LOG, Dani Gomes fechou em segundo com Czerkawsky em terceiro. OS já citados, na quarta, Jesus Neto, John Martins. Tonga Guardia, Givaldo Spindola, Leo Lopes, Ernesto Brock e Marco Parma, completaram os 10 melhores colocados da segunda bateria da noite.
Como citado anteriormente, devido a configurações do output file, Gustavo Frigotto foi desclassificado da prova.

PROTESTOS E PUNIÇÕES
G.Spindola > P.Santos - Sem ação, o reclamante freia em local onde o traçado, é de aceleração, ao fazer o traçado de forma errada, freia, não tendo o piloto protestado tempo de ação para reagir a freada brusca do reclamante, sendo assim é considerado lance de corrida.

FEEDBACKS
J.Dillerva - Mais cuidado ao entrar em disputas, se atentando aos limites de pistas e de toques em disputas, sendo recomendo se atentar ao Fair Play.

J.Martins - Se atentar ao spotter quando o mesmo sinalizar que há um piloto ao seu lado, evitando assim entrar em curvas com oponentes lado a lado e batendo no mesmo como se não estivesse ali.

T.Marques - Se atentar a frenagens nas disputas com outros adversários, para evitar toques desnecessários.

G.Frigotto - Se atentar a frenagens nas disputas com outros adversários,  se aproveitando de toques para realizar ultrapassagens sem realizar fair play, e em alguns momentos realizando dive bomb para forçar ultrapassagens.

A.Oliveira - Se atentar ao spotter quando o mesmo sinalizar que há um piloto ao seu lado, evitando assim jogar o carro encima de algum piloto que esta lado a lado, em disputas em que se está atrás o piloto deve ter respeito com os demais atrás e do lado tomando cuidado com os mesmos.

CLASSIFICAÇÃO PILOTOS
Após duas baterias, Leonardo Lopes se aproveita dos problemas de LOG de Frigotto e assume a liderança da etapa com 32 pontos, Alexandre Oliveira é o vice lider do campeonato com 29 pontos, e Ernesto Brock aparece com o terceiro lugar com 26 tentos.



CLASSIFICAÇÃO EQUIPES
A BSP Racing assume a liderança do campeonato, agora com 38 pontos, a CTE Racing HVM surge como vice líder do campeonato com 36 pontos, e a Black Wings RT surge como terceiro lugar com 33 pontos.



CLASSIFICAÇÃO NATIONS CUP
O Brasil é lider do campeonato com 50 pontos, seguido de Argentina com 17, e Peru surgindo em terceiro na competição com 10 pontos.



VT DA ETAPA



PRÓXIMA ETAPA
A próxima etapa do campeonato será no traçado de rua de Circuit de Pau, circuito conhecido pelas boas corridas realizadas na corrida real, que também recebe etapas de F3 e outras categorias.



Nenhum comentário:

Postar um comentário